terça-feira, 24 de maio de 2011

Número Primo

Jogo meu lamento
Em um sopro junto com o vento,
Vento que voa com meus pensamentos,
Esqueci o que rimo,
Minha vida é um número primo.
Máscaras demais
Um dia caem,
Porém a minha num quer sair,
Chega dessa fantasia carnaval passou
Quero descobrir de novo como é o amor.
Só escrever não me faz feliz,
Quero sentir a paixão nas veias,
Dessa vida de ilusão quero pendurar minhas meias.

Autor: Cesar Santos

2 comentários:

  1. Adorei o “Dessa vida de ilusão quero pendurar minhas meias.”! Um poema ímpar, ou melhor dizendo, um número primo, divisível apenas por um e por ele mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você sempre interpreta o que quero dizer!

      Excluir